Publicidade

Negócios

20/01/2017

Cachaça Claudionor aposta em divulgação pela internet

Site apresenta a história, processo de fabricação e curiosidades
Email
A-   A+
A cachaça Claudionor figura entre as 50 melhores/Divulgação
O município de Januária, no Norte de Minas, destaca-se na produção de cachaça artesanal. Uma das marcas mais conhecidas é a quase centenária aguardente Claudionor, que tem sua presença fortalecida no mercado por meio de uma parceria com o Sebrae Minas.

A cachaça Claudionor faz parte do Programa Origem Minas, uma iniciativa do Sebrae Minas e da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg) que tem como objetivo fomentar o desenvolvimento, a competitividade e a diferenciação do agronegócio no Estado. De acordo com Úrsula Carneiro, uma das herdeiras e diretora da empresa fabricante da aguardente, são produzidas em torno de 80 mil a 90 mil litros por ano. Essa produção atende o mercado nacional, principalmente São Paulo, Minas e Bahia. Até ficar no ponto para ser comercializada, a cachaça é envelhecida por dois anos em dornas feitas com madeira de imburana.

Úrsula Carneiro administra a empresa com a sua irmã, Lícia Carneiro. As duas empresárias são netas do criador da marca, Claudionor. Hoje, quem vê as proprietárias do empreendimento se preocuparem com a modernidade, não imagina como tudo começou em 1925 e como o negócio sobreviveu a três gerações. “Naquela época, as bebidas produzidas na região não tinham nomes e todas eram chamadas simplesmente de ‘cachaças de Januária’. Porém, muita gente sempre dizia que queria a ‘Cachaça do Claudionor’. Daí, surgiu o nome”, explica Úrsula Carneiro.

Ao longo dos anos, o rótulo permaneceu o mesmo, mas muita coisa mudou na administração da empresa. Úrsula Carneiro relata que a produção artesanal iniciada pelo seu avô passou para o seu pai. “Com a morte do nosso pai, coube a nós duas assumirmos o negócio em 2012. Sabemos que é um grande desafio, mas mantemos a tradição e os segredos da tradicional bebida que vem marcando décadas”, comemora Úrsula Carneiro.
A empresária diz que não herdou apenas dos homens da família o gosto pelo negócio. “Na verdade, a minha avó, Joventina Carneiro, foi peça fundamental para o sucesso da cachaça. Grande parte das ideias e da visão de empreendedorismo vieram dela. Mas, como naquela época mulher não apareceria nos negócios, meu avô executava as ações e levava a fama”, brinca a herdeira.

Mundo digital – Visando incrementar o negócio e reforçar a divulgação da bebida artesanal produzida na cidade desde 1925, a cachaça contou com uma consultoria de marketing do Sebrae Minas em 2015. Por meio do Sebraetec, uma iniciativa do Sebrae que oferece conhecimento em inovação e tecnologia para micro e pequenas empresas, a empresa iniciou a construção de um website que apresenta a história, o processo de fabricação, vendas e curiosidades sobre o produto, que já recebeu vários prêmios de qualidade.

“Hoje em dia é essencial ter um bom site e confiamos nesta parceria com o Sebrae. Quem já conhece ou quem deseja conhecer a nossa cachaça poderá ter informações seguras, uma fonte de pesquisa da nossa própria empresa”, afirma Úrsula Carneiro.

De acordo com a analista do Sebrae Aline Magalhães, a instituição contribui para que a marca ganhe um ar de modernidade, mas mantendo a tradição. “Oferecemos suporte aos profissionais do segmento e contribuímos com soluções para fortalecer ainda mais o produto. A qualidade da aguardente produzida é inquestionável. Cabe a nós contribuir para que a marca se solidifique cada vez mais”, destaca.

Premiada - O sucesso da cachaça Claudionor pode ser comprovado em várias revistas especializadas. Em 2007, ficou em quinto lugar no ranking das melhores cachaças do País; em 2009, subiu para terceiro e repetiu o feito em 2011.No ano seguinte, foi eleita a segunda melhor pelo ranking da revista Vip. Atualmente, figura entre as 50 melhores do II Ranking da revista Cúpula da Cachaça. (ASN)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/01/2017
Pif Paf prevê receita 5% maior, batendo quase R$ 2 bilhões
Índice está apoiado no lançamento de produtos
21/01/2017
Estácio vê com otimismo captações de alunos
São Paulo - A Estácio Participações, segunda maior empresa de ensino superior privado do País, está otimista quanto à captação de...
20/01/2017
Viajantes brasileiros buscam mais voos nacionais via mobile
São Paulo - A vida das pessoas está cada dia mais digitalizada e um dos responsáveis por isso é o smartphone. Hoje, grande parte das atividades é feita por meio...
20/01/2017
Netflix se aproxima de 100 milhões de assinantes
São Paulo - A Netflix anunciou crescimento recorde de 7,05 milhões de assinantes no último trimestre de 2016, ao redor do mundo, e soma agora 93,8 milhões. Dos...
20/01/2017
Gol venderá bilhetes da Passaredo
São Paulo - A Gol e a Passaredo anunciam parceria em aviação regional. Serão nove destinos comercializados, de modo que os clientes poderão comprar a passagem...
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.