Publicidade

Finanças

21/01/2017

Dólar tem queda de 1,03% após a posse de Donald Trump

Moeda norte-americana fechou a sessão em R$ 3,17
Email
A-   A+
Continuidade dos leilões de swap cambial do BC também contribuiu para derrubar o dólar/Rafael Neddermeyer/Fotos Públicas
São Paulo - O dólar fechou a sexta-feira em queda frente ao real, em linha com a direção diante de divisas de economias emergentes. O discurso inaugural do presidente Donald Trump trouxe alguma instabilidade pontual para o mercado. O republicano manteve o tom agressivo e reforçou alguns pontos marcantes de sua campanha, como o estímulo fiscal.

No entanto, não deu detalhes sobre sua política econômica e, assim que o pronunciamento foi concluído, o dólar intensificou as perdas já observadas ao longo do dia.
Por aqui, a moeda recuou à mínima de R$ 3,1736 (-1,03%) no mercado à vista, antes de encerrar a sessão aos R$ 3,1793 (-0,85%). O volume de negócios somou US$ 1,019 bilhão. No mercado futuro, o contrato mais líquido, com vencimento em fevereiro, fechou na mínima aos R$ 3,1790, em queda de 0,87%. A movimentação totalizou US$ 9,881 bilhões.

“O primeiro discurso de Trump como presidente dos EUA foi um ‘não evento’”, resumiu o diretor da Mirae Asset, Pablo Stipanicic Spyer. Com isso, as expectativas que nortearam os mercados nas últimas semanas em relação a algum direcionamento mais específico foram frustradas. “Teremos de esperar para ter mais esclarecimento sobre o novo governo”, acrescentou.

Contribuiu para aliviar alguma pressão sobre o dólar a continuidade dos leilões de swap cambial pelo Banco Central. Foram vendidos hoje 15 mil contratos para rolagem dos vencimentos de fevereiro. Em entrevista coletiva em Davos, na Suíça, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou que “em princípio, essa é a ideia”, de executar a rolagem integral.

Leia também
Bolsas asiáticas fecharam no vermelho
Ibovespa sobe 0,89% e atinge o maior nível deste ano
Índices acionários da Europa recuam


Taxas de juros - Os juros futuros fecharam em queda em relação aos ajustes de quinta-feira. Segundo profissionais do mercado de renda fixa, o movimento foi uma continuidade do recuo da véspera, quando as taxas foram puxadas pela divulgação do IPCA-15. Sexta-feira, o discurso de posse do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi considerado genérico por profissionais de renda fixa. Como o republicano não detalhou suas intenções sobre acordos comerciais ou mesmo sobre imigração, o mercado sentiu-se aliviado, afirmou o estrategista-chefe do Banco Mizuho do Brasil, Luciano Rostagno.

O resultado do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) também não chegou fazer preço. Segundo um profissional de uma mesa de renda fixa de uma gestora, embora os resultados tenham vindo melhores do que as medianas das estimativas, ainda representam cenário negativo.

De acordo com o Caged, o Brasil fechou 1.321.994 de postos formais de trabalho no ano passado. As estimativas iam de um corte total de 1,500 milhão a 1,330 milhão de vagas, com mediana negativa em 1,442 milhão (levantamento Projeções Broadcast). Apenas no mês de dezembro, quando geralmente há mais demissões em função da dispensa de temporários, foram fechados 462.366 postos com carteira assinada. Para este dado, as projeções apontavam corte entre 610 mil e 430 mil vagas, com mediana negativa em 545 mil.

No fim da sessão regular, o contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2018 marcou 10,930%, ante 10,975% no ajuste da véspera. O DI para janeiro de 2019 tinha taxa de 10,40% ante 10,45%. Já o contrato com vencimento em janeiro de 2021 projetava 10,62% de 10,70% no ajuste anterior. (AE)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

12/02/2017
Juros do cheque especial caíram em fevereiro
São Paulo - A taxa média de juros do cheque especial caiu 0,04 ponto percentual em fevereiro, passando de 13,6% para 13,56% ao mês, segundo pesquisa do Procon de São...
11/02/2017
IPO do Hermes Pardini movimenta R$ 877 milhões
Preço da ação ficou em R$ 19 na operação de abertura de capital da rede de laboratórios mineira
11/02/2017
Atividade econômica regional em queda
Boletim do BC aponta que a região Sudeste apresentou retração de 0,8% entre setembro e novembro de 2016
11/02/2017
Dólar fecha com queda de 0,5% frente ao real
São Paulo - O dólar fechou em queda na sexta-feira, acompanhando a melhora do apetite por risco no exterior. Em baixa desde os primeiros negócios do dia, a...
11/02/2017
Aumento do desemprego justifica recuo
Brasília - O chefe do Departamento Econômico do Banco Central, Tulio Maciel, afirmou na sexta-feira que a alta do desemprego, que impacta a massa de salários no Brasil,...
› últimas notícias
Juros do cheque especial caíram em fevereiro
Seguro viagem reduz despesas médicas e aumenta tranquilidade
Nota do Brasil é mantida em BB pela S&P
Corte no Orçamento deve ficar próximo de R$ 30 bilhões
Direito do consumidor gera quase 30% dos processos judiciais no País
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:

Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› DC Auto
Jeep Compass Trailhawk sai na frente com o diesel
Pacote farto de equipamentos se destaca
Novo Honda WR-V chega em março
Activ é a versão aventureira do Chevrolet Onix, carro mais vendido no Brasil em 2016
Evolução é obrigatória para os motores
Leia todas as notícias ›
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


11 de fevereiro de 2017
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.