Publicidade

Finanças

20/01/2017

Petros revisa política de investimentos

Email
A-   A+
São Paulo - A Fundação Petros, fundo de pensão dos funcionários da Petrobras, anunciou ontem uma revisão em sua política de investimentos para os próximos cinco anos em que o plano PPSP, que acumula déficit bilionário, ampliará aquisição de títulos públicos e venderá participações em empresas.

Segundo a fundação, o Plano Petros, que atende cerca de 76 mil participantes, dos quais 55 mil são assistidos, vai elevar a fatia da renda fixa nos investimentos de 45% para 71% dos ativos no curto a médio prazos, sobretudo com compra de novos títulos públicos.

Enquanto isso, o limite máximo de exposição à renda variável do PPSP foi reduzido de 45% para 35%, “dada a maturidade do plano e a consequente necessidade de aumentar o nível de liquidez”, afirmou a fundação em comunicado à imprensa.

Os recursos obtidos com os desinvestimentos na carteira de participações em empresas serão usados na compra de títulos púbicos e na recomposição de caixa, para fazer frente ao aumento das despesas previdenciárias, disse a Petros.

No Plano Petros-2 (PP-2), mais novo, a fatia da renda variável meta de subir de 8% para 15% dos ativos por meio de operações “que capturem oportunidades de mercado”.
Além disso, com a projeção de queda da taxa de juros, a Petros avalia que o PP-2 pode fazer investimentos no exterior, como forma de diversificar risco. O limite para investimentos do PP-2 no exterior será de no máximo 2% dos ativos.

O PP-2 também pretende ampliar exposição ao segmento de imóveis. A alocação atual é de 2,5%, mas tem como meta atingir 3%. O percentual máximo é de 5%.
O Plano Petros tem benefício definido para os participantes, enquanto o PP-2 é regido por lógica de contribuição variável.

“Estamos dinamizando a gestão dos investimentos através da implementação da cultura de asset management na Petros. Precisamos aproveitar as oportunidades de mercado para buscar o maior retorno possível, mas sempre considerando o perfil de cada plano e respeitando os limites de risco que podemos assumir para preservar a segurança do patrimônio dos participantes”, afirmou o presidente da Petros, Walter Mendes, no comunicado.

Na nova política, a Petros não deve fazer novos aportes em Fundos de Investimentos em Participações. O teto de alocação neste segmento foi reduzido de 8% para 4%, no caso do PP-2, e de 10% para 7% no caso do Plano Petros, “numa perspectiva de redução compatível com as condições de mercado”. (Reuters)

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

21/01/2017
Dólar tem queda de 1,03% após a posse de Donald Trump
São Paulo - O dólar fechou a sexta-feira em queda frente ao real, em linha com a direção diante de divisas de economias emergentes. O discurso inaugural do presidente...
21/01/2017
Índices acionários da Europa recuam
Milão - O índice acionário pan-europeu recuou na sexta-feira, registrando a maior perda semanal desde antes da vitória de Donald Trump na eleição...
21/01/2017
Bolsas asiáticas fecharam no vermelho
São Paulo - As bolsas asiáticas tiveram mais um dia de desempenho misto na sexta-feira, com as chinesas avançando na esteira de dados sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do...
21/01/2017
Ibovespa sobe 0,89% e atinge o maior nível deste ano
São Paulo - O principal índice da Bovespa encerrou no nível mais alto desde o fim de outubro na sexta-feira, após ter fechado no vermelho nos dois últimos...
20/01/2017
IPCA-15 tem a menor variação para janeiro desde 1994
Índice atingiu 0,31% no período, segundo IBGE
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.